3 de nov de 2016

Leituras de Novembro

Terminando de ler o CLÁÁÁÁÁSSICO dos mestres Stan Lee e Jack Kirby (sempre eles): THOR: CONTOS DE ASGARD! Uma das melhores edições da coleção da Salvat, com material muito antigo misturando imaginação e mitologia, em várias histórias curtas de 5 páginas, que vinham no final da revista Journey Into Mystery, que publicava os quadrinhos do Deus do Trovão e se tornou a atração principal do gibi, com muita aventura e ação. O melhor é que foi tudo colorizado com uma técnica mais moderna, mais tridimensional, valorizando os desenhos. Odin, Loki, Hogun, Fandral, e o hilário Volstagg em sagas espetaculares. A única coisa destoante na edição é o desenho da capa, que não é de Kirby ( e acho muito feio). Edição altamente recomendável a qualquer leitor! Cultura nórdica! Por Odin! Por Asgaaaarrdd!


A dupla criadora - Stan e Jack

Salvat Vermelha - O Coisa - Com desenhos de John Byrne, a saga "Projeto Pégasus" pode ter sido boa na época em que foi lançada, e tem lá sua qualidade, mas hoje me dia não contribui em nada, só um desfile de personagens secundários da Marvel (o antigo e cafona Quasar, Deathlock, Tundra, Golias Negro e Wundarr. A aventura com o Homem-Impossível gostei mais, e o clássico produzido por Stan Lee e Jack Kirby embora seja bem legal (Homem... ou Monstro?), não possui tanta carga dramática como outras do Coisa produzidas depois, mas fazer depois é fácil, hehe.





A Teia do Aranha 82 - Tive este gibi na época de seu lançamento (1996) quando acompanhava o Aranha e as histórias do Thor. Thor havia sido banido da realidade por Heimdall em Superaventuras Marvel 153. Na época, Thor dividia sua existência com o mortal Eric Masterson, que,sendo amigo de Thor enquanto este usava a identidade de Sigurd Jarlson e descobrindo a verdade sobre o Deus do Trovão,  defendeu Thor numa batalha. Thor usa seu último contato com Odin para pedir ao pai de todos que interceda a favor do mortal, mas o único jeito era fundindo os dois. Thor aceita, criando uma dinâmica bem legal nas histórias dessa fase, pois Eric lutava na justiça para manter a guarda do filho, e Thor acabou atrapalhando o processo por conta de suas aventuras. Um dia após Loki ameaçar Kevin, o filho de Masterson, Thor acaba matando seu irmão num ritual proibido, e por isso foi banido. Com isso, Eric virou o novo Thor e tempos depois, o herói conhecido como Trovejante. O resgate da alma de Thor aconteceu nos números 81, 82 e 83 da revista A Teia do Aranha, das quais me desfiz, mas arrependido, comprei novamente, só faltava esta para completar de novo esta sequência, mas consegui! As histórias do Aranha, com desenhos de Erik Larsen, apresentam um Venom querendo defender inocentes e ao mesmo tempo devorar Peter Parker, convivendo com seus pais (na verdade eram robôs, como se viu algumas edições à frente). Bastante ação, mas tema repetitivo.






Super Powers 30 - Comprei na Feira do Livro de Pelotas junto com a Teia do Aranha acima citada, porque estava barato, em excelente estado, era história completa e um formatinho lombada quadrada, grossinha como costumamos dizer. A história é mais centrada em Amanda Waller e no Esquadrão Suicida, mas como é sequência de outras histórias, fica meio perdida esta leitura sozinha, mesmo com texto introdutório. Super-Homem, Batman e  Aquaman, só se destacam na capa, pois mal aparecem no gibi.






Tex Edição de Ouro 14 - A Arma do Massacre - Bom, não chegou a ter nenhum massacre com a arma na história, uma metralhadora Gatling, mas sempre é bom uma aventura completa de Tex e Carson,  pois se aprende sempre algo sobre datas históricas, territórios, tribos ou armas do velho oeste americano. esses italianos manjam mesmo de quadrinhos!!



Salvat - Dinastia M O Herdeiro -  a história toma uma rumo bem diferente do que eu imaginava ser a proposta. Começa centrada em Mercúrio e seu drama, mas depois focaliza nos inumanos. Boa história, pena que o Pietro seja tão escroto!!! 






 Salvat vermelha - Destrutor - as primeiras histórias são muito fracas, com o vilão "faraó vivo", que só serviu para apresentar Alex Summers. Já a outra, Imperador Vulcano, é bem legal, mas convenhamos, o Destrutor não se destacou nada!!!

 




Depois de ler a edição acima, foi bom reler a Graphic Marvel 3 - A Vingança do Monolito Vivo. Como contam os autores no texto introdutório, foi uma bela surpresa pegarem o vilão chinfrim Faraó Vivo e colocá-lo numa história épica, com bom roteiro, com belos desenhos. Já tive me desfiz duas vezes desta edição, mas como gosto muito dela, hoje em dia faz parte dos itens essenciais, que releio de vez em quando.



 




Salvat Vermelha - Feiticeira Escarlate - além da estreia de Wanda Maximoff no clássico X-Men 4, com a irmandade de mutantes, onde ela e seu irmão Pietro já demonstravam não ser malignos, mas vítimas das circuntâncias, o arco A Busca Pelo Visão traz a volta do Tocha Humana Original e finalmente, numa história dramática,  a verdade sobre os filhos de Wanda e do Visão, que na verdade eram fragmentos da alma do demônio Mefisto, trazidas à vida pelo forte desejo de ser mãe e os poderes mutantes de alterar probabilidades, aliados à magia. A forma como foi mostrado, com os bebês gêmeos se tornando parte dos braços do vilão Mestre Pandemônio é estarrecedor!!! Não é à toa que ao longo dos anos essa interessante personagem foi desenvolvida mais a fundo, com sua frágil psique  e seu enorme poder acarretando catástrofes anos depois.

 





Salvat - O Imperativo Thanos - uma saga cósmica moderna que  serve como culminância do que começou nas histórias dos Guardiões da Galáxia, Nova, das séries Aniquilação, Aniquilação 2: A conquista e Guerra dos Reis (essas duas últimas não li ainda). Já falei várias vezes que Thanos sem Jim Starlin fica sem graça, e continuo repetindo. Mas esta história é bem legal, pelo conceito, ação e desenhos (embora alguns momentos dignos de Rob Liefield também). já tinha lido em scan, mas fico feliz de ter lido a edição encadernada (do meu irmão hehe), finalmente publicada aqui. Algumas imagens da edição já valem o investimento:














Salvat Vermelha - O Anjo - Interessante as histórias curtas que contam a origem do personagem e como entrou para os X-men. Já a saga Psylocke e Arcanjo: Aurora Rubra, com desenhos de Salvador Larroca, é fraca, típica da segunda metade anos 90.

 




 Radicci 5 - mais uma coleção de tiras impagáveis do personagem de Iotti, com este descendente de italianos mal-educado, beberrão, anti-higiênico e tarado... risadas garantidas.



Pra quem não conhece, algumas tiras que peguei na internet:







 

18 de out de 2016

Leituras de Outubro

Muito trabalho e pouca diversão fazem de Cássius um bobão!!!

Uma pequena diminuída no ritmo das leituras, mas vamos lá:

Coleção Histórica Marvel: Os Defensores 3 - Nesta edição dedicada a Namor, histórias clássicas da série de 1968, que eu não conhecia. Roy Thomas e John Buscema fazem um bom trabalho, na mesma linha do Surfista Prateado, poses dramáticas, donzelas desesperadas e batalhas legais, embora com personagens bizarros. Mas o desenhista era tão bom que até o ridículo Homem-Planta fica ameaçador, com seu plano absurdo. O argumento é bem ingênuo, mas isso pra mim faz parte do charme da edição. Destaque para a parte em que o vilão supracitado ativa um raio que faz a vegetação marinha se mover "como se tivesse vida"!!! Peraí!! Mas a vegetação não tem vida? Hehehehe.




 Guardoidões da Galáxia - divertidíssima padia do filme da Marvel, uma das melhores que já li, repleta de referências aos quadrinhos, desenhos animados e cinema, bem como coisas que só sendo fã da Turma da Mônica vai entender... a seguir alguns momentos que selecionei:

 






Esta cena é um desafio para identificar todos os vilões da cultura pop.




Salvat Vermelha - Demolidor - A Origem do Demolidor & O Homem Sem Medo - a primeira história eu já tinha lido. É clássico? Sim, mas por ser antigo, pois não é tão bom, bem típico de heróis de segundo escalão, forçando a barra na esteira de Homem-Aranha e tentando inserir mais um herói com deficiência. Mas desta vez estranhei achando a história longa, acredito que graças aos cortes de páginas da outra editora. Mas Demolidor é Demolidor e vice-versa, e adoro o personagem! O prato principal da edição lembro de não chegar na minha cidade quando foi lançado como minissérie e quando lançaram depois encadernado, era muito caro, só fui ler muito depois a versão da panini quando um amigo de meu irmão emprestou e não achei lá essas coisas, pois era mais centrado em Matt Murdock antes de assumir a identidade de herói. Li com pressa ou ansioso e na época me decepcionei, mesmo sendo de Frank Miller e John Romita Jr., que era sensação na época. Pois agora li e degustei melhor, revi as referências usadas no filme e no seriado e apreciei este clássico moderno das HQ's. Recomendo!!!



Salvat Vermelha - Doutor Estranho - pensei que ia ser uma edição chata, mas a seleção de histórias é fantástica! Além da primeira aparição do personagem, ainda com traços de Steve Ditko, as outras HQ's são de uma fase dos anos 80 muito boa, com participação do Cavaleiro Negro, Cléa, Umar e outros. Algumas histórias trazem boas reflexões como a que foi publicada em Heróis da TV 100, que fala do medo de uma guerra atômica (sentimento da época) e a do Beyonder, buscando sentido em sua vida.




Salvat - Homem-Aranha: Revelações & Até que as estrelas esfriem - pra variar (ou não) o que faz as histórias do Aranha interessantes é a relação de Peter Parker com sua família (Tia May e Mary Jane), e todo o resto, batalhas e vilões estão lá apenas para encher linguiça. Portanto, embora funcione bem com série mensal e o texto seja bom, o longo encadernado é um pouco cansativo, com muita enrolação quando se vê o resultado final. 


14 de out de 2016

Gibilioteca na Semana Acadêmica de Letras - UCPEL




 Ontem no dia 13/10 foi apresentado no evento as ideias do projeto Gibiblioteca, minhas experiências e dicas aos futuros colegas de profissão. Espero que tenham gostado.




 

Com Léo, que coordenou o evento, e meu irmão Julian.



Hoje uma triste notícia, a respeito do falecimento de Orival Pessini, publicitário, ator e humorista de quem eu era muito fã, principalmente por seus personagens Fofão e Patropi, que tanto me fizeram rir, inclusive nos gibis  dos anos 80!!! Obrigado por sua arte e suas máscaras fabulosas, Orival! Fique em paz!!! :(


 

13 de set de 2016

Leituras em Setembro

    Salvat Vermelha - Harpia: Bem legal as histórias desta edição, tanto o encontro com o Homem-Aranha como o reencontro e retomada do romance com Ronin (Gavião Arqueiro), numa história com referência a fatos de histórias clássicas com bastante ação e romance. Melhor do que pensei!!! 



Barbara "Bobbi" Morse, a  Harpia




     Na série televisiva Agentes da SHIELD a personagem (descaracterizada, mas muito boa) é interpretada pela atriz Adrianne Palicki, que chegou a gravar um episódio piloto para um seriado da Mulher-Maravilha que foi cancelado, mas vazou na internet.




Salvat Vermelha - Quarteto Fantástico - uma saga (?) em 9 partes, ou melhor, 10, já que a última tem o dobro de páginas, e que se pretende (na época, 1978), a maior saga do grupo de heróis. Nem perto, pois embora as primeiras partes sejam bem legais, nas histórias do Tocha contra Texas Tornado (!?) e Coisa contra o Demônio da Morte, e apesar dos belíssimos e clássicos desenhos do mestre John Buscema, o texto e falas do personagem, principalmente do Doutor Destino, são chatas, o personagem ficou um megalomaníaco que repete três vezes as frases quando está com raiva, ficou muito infantil e estereotipado! O texto final contando o histórico da equipe também tem problemas, faltou encadear alguns fatos... 



Coleção Histórica Marvel - Os Defensores - este tipo de coleção caça níquel me irrita. Nesta, apenas a primeira de 4 edições tem histórias do grupo Defensores!!! As demais trazem histórias solo dos membros do grupo. Claro que aproveitam coisas recém lançadas ou que em breve serão lançadas pela coleção da salvat de capa preta, como no caso do Quarteto Fantástico - chegada de Galactus e confrontos com Doutor Destino (além de outras histórias como a estreia do Pantera Negra). Neste caso me refiro à segunda edição, do Doutor Estranho, com algumas histórias que constam na edição 3 da coleção de Clássicos da Salvat. 
      Mas e quanto a esta edição? Bom, fora o cheiro nauseante de tinta que emana das páginas, as histórias são legais, mas bem ingênuas e com roteiro rápido e superficial, mas de certo modo é o seu charme e por isso gosto delas!! Magos, dimensões estranhas, guerreiros que surgem e desaparecem rápido e personagens bizarros como o demônio "Inominável", bem divertido. Desenhos do Sal Buscema são ótimos!

      Pena que o editor fez uma confusão ao colocar as referências, trocando o ano da publicações algumas vezes, como por exemplo 1972 para Superaventuras Marvel (que é de 1982) e 1952 para revistas do Hulk, ano em que o personagem nem tinha sido criado. 





































Monstro do Pântano - Regênese 2 - continua muito boa a fase de Rick Veitch e Alfredo Alcala, com um texto interessante, que evoluiu bastante.



Asterix e Obelix - O Livro de Ouro - comemorando os 50 anos do personagem, a edição é bem louca, com os personagens (e autores) imaginando  um presente para os gauleses. 



Alice no País das Maravilhas - adaptação do filme de Tim Burton (que não vi) - muito boa, no estilo graphic novel, com traços e cores interessantes, recomendo!



Homem-Aranha: Azul - era curioso acerca dessa série, mas embora seja uma bela homenagem às histórias antigas do aranha e seus autores, bem como à eterna Gwen Stacy, poderia ser reduzida em uma ou duas edições, achei muito enrolada com os vilões e ação desnecessária (o que acontecia nas histórias clássicas também, vilões e brigas como chamariz para leitores mais jovens e uma drama pessoal e amadurecimento dos personagens para os mais maduros). Fora isso, tem momentos emocionantes.



   A Última Tentação - quando vi que esta edição estava sendo RElançada, foi estranho, porque eu nem mesmo conhecia esta história em quadrinhos. Conhecia sim o álbum "The Last Temptation", do roqueiro Alice Cooper. Inclusive adoro a arte do encarte e o clipe de "It's Me", com o mesmo apelo visual. Então, curioso, acabei comprando esta edição, que mesmo com desconto, achei o preço salgado (editora Mythos castigou), mesmo porque uma HQ não tão famosa não precisava de cerca de 50 páginas com o roteiro do autor Neil Gaiman (só este nome já indicava que provavelmente a edição era interessante).




     A história? Sim, bem legal, lembrou a minissérie Psycho Circus, do Kiss, aliás, é tudo que Psycho Circus gostaria de ser, acredito. Um ser sobrenatural (na figura de Alice Cooper) tenta um menino para adentrar o elenco de um teatro de horror, prometendo vida eterna. Não chega a mostrar um terror apelativo, é tudo bem comedido, sendo uma leitura agradável e muito bem escrita. Nota 8!

Novíssimos X-Men - Criando Raízes - continuação da edição "X_men de Ontem", com os membros originais trazidos do passado, causando conflitos e situações inusitadas, muito boa esta série!





Star Wars - Clássicos 12 - o final da antiga fase de quadrinhos da série. Embora tenha perdido o ritmo inicial, visto que a guerra contra o império acabou, e ocorra alguns cortes abruptos na sequencia de alguns capítulos (fatos não mostrados), foi uma boa despedida. Os desenhos não empolgam muito, mas o argumento segue prendendo o leitor.








Thor - O Carniceiro dos Deuses - fantásticas essas histórias onde o Deus do Trovão, em 3 momentos distintos do tempo, enfrenta um inimigo misterioso e selvagem, já estou com as mãos na edição seguinte, que em breve lerei!